sábado, 13 de outubro de 2007

Norte e Sul: falsa questão?

Nos últimos anos tenho-me deparado com alguma perplexidade com o que eu chamo de salientar do Norte em preterição do Sul.
Portugal é um país pequeno e não se percebe este separatismo que é fomentado pelo futebol e seus clubes e dirigentes e pela comunicação social.
Na realidade no Norte é que se situa a maior parte do dinheiro e do poder apesar de Lisboa ser a capital e de Cascais ser uma das zonas do país com melhor qualidade de vida. Contudo, Lisboa é a única cidade que é possível designar-se de grande cidade no sul. Outras cidades como Faro que só é grande no Verão, Évora, Beja e Portalegre do Alentejo são vítima do ostracismo e outras não se afirmam grandemente. Já no Norte existem cidades como o Porto que se afirma de dia para dia, Braga uma verdadeira media cidade (relativamente à escala de Portugal), Aveiro, Coimbra e outras com alguma pujança no desenvolvimento. Claro que outras cidades do Norte estão também vítimas do ostracismo, casos de Bragança e Viseu.
Importa desde já afirmar que não sou apologista do divisionismo hoje existente e que nunca fui nem serei anti-Norte (se é que existe semelhante coisa).
Aliás, devo dizer que no que diz respeito à regionalização, sou muito céptico na aprovação desta num possível referendo.
Porém, através deste texto pretendo expor o que eu já chamei de salientar do Norte, da cidade do Porto e do Futebol Clube do Porto.
È verdadeiro o facto de eu ser de origem lisboeta e do clube de futebol Benfica mas penso que isto pouco ou nada tem que ver com esta minha exposição. Provavelmente se fosse adepto do F.C.P. não apresentaria estes factos contudo parece-me que este texto apresenta uma atitude imparcial da minha parte.
Começo por falar no Norte, região também ela desigual entre Litoral e Interior e que é residência de pequenos e médios empresários que em grande parte enriqueceram depressa e têm pouca cultura mas ostentam a sua riqueza com grandes casas, ouro e potentes carros. São os chamados novos-ricos.
Falo agora da cidade do Porto e do seu mais famoso clube mas não único, estes sim são o foco de toda a questão. O Porto é sem dúvida a segunda maior cidade do país, e não a primeira, e se estranho alguns que lêem este texto já perceberão o que pretendo afirmar.
Todos ou praticamente todos se recordam do famigerado slogan “O Porto é uma Naçon”. Pois bem, esse é um slogan propagandeado por portuenses mas mais significativamente por aqueles que são afectos ao F.C.P., os portistas.
Desde que há mais de duas décadas um senhor se tornou presidente do F.C.P., que muito mudou neste país. Antes os adeptos dos clubes de futebol, nomeadamente dos chamados três grandes, viviam sem grandes desacatos mas com esta eleição tudo piorou, algo também fomentado como já disse pela comunicação social.
Na realidade o F.C.P e cidade do Porto têm sido demasiadamente referidos na comunicação social em preterição de outros clubes e cidades. Para sustentar os meus argumentos vejamos a quantidade de programas televisivos da “RTP” que têm como estúdio o Porto. O programa “Praça da Alegria” é filmado no Porto e tem como parte integrante uma recepção a pessoas mais idosas que são avôs e avós e que levam uma quantidade enorme de netos para conseguirem uma boa quantia de dinheiro. Um aparte, na realidade estas pessoas acabam por ir lá (à televisão) mais por aparecerem nos ecrãs televisivos do que pelo dinheiro a julgar pelas prendas que dão aos apresentadores. Pois bem, estas pessoas idosas normalmente são originárias do Norte, principalmente zonas do Interior. Quanto aos apresentadores um destes é da cidade do Porto. Tudo isto seria normal se houvesse à tarde um programa em Lisboa ou Faro, Coimbra ou outra cidade. Contudo assim não acontece.
O programa seguinte é o “Jornal da Tarde” que é filmado no Porto e tem por costume a apresentação por parte de um pivot com pronúncia nortenha, qualquer que ele seja, o mesmo podendo ser dito no que diz respeito aos repórteres e jornalistas que aparecem nas reportagens e entrevistas. Num destes dias do mês que passou (Maio) reparei que na sua larga maioria as noticias dadas se passavam no Porto, mesmo aquelas que podiam ser filmadas em Lisboa ou até fariam mais sentido serem filmadas na capital. Por exemplo foi noticiado um buraco numa rua da cidade do Porto. O buraco era grande, é certo, porém buracos desse tipo existem em Lisboa com alguma certeza. Esta até é uma notícia negativa mas mostra mais uma vez o Porto em vez de outra cidade. Outra notícia foi a ida de habitantes das Regiões Autónomas para o Porto e Lisboa para realizarem tratamentos de oncologia. O jornalista que realizou a peça disse mesmo que esses habitantes iam em maioria para Lisboa, no entanto a reportagem foi realizada no Porto. Já outra notícia, foi a inovação trazida pela Internet e em especial o programa “Google Earth” que como é do conhecimento grande parte das pessoas, é um programa que permite ao cidadão comum ver o mundo na sua totalidade com alguma definição podendo focar uma zona que queira. Posto isto nesta notícia a “RTP” ou antes o jornalista que a desenvolveu focou a cidade do Porto como se não existisse qualquer outra cidade no Mundo ou em Portugal. Estas notícias são apenas um exemplo do salientar do Porto, mas poderia ainda referir muitas outras como o facto de na greve geral do passado dia 30 de Maio a “RTP” ter se referido imediatamente ao Metro do Porto e ao Hospital de São João e ter realizado entrevistas no local quando existem muitos outros hospitais no país e mais uma cidade com Metropolitano. Outra situação com a qual eu me deparei foi, para além do salientar do Norte também um fomentar do divisionismo e considerar o Sul quase uma região à parte. Fundamento esta afirmação com uma notícia que se referia à feira de agro-pecuária “Ovi Beja”. O pivot de informação referiu-se a esta como e passo a citar “ A Maior feira de agro-pecuária do Sul do país”. Ora vejamos, existirá alguma feira de agro-pecuária desta dimensão ou maior noutro ponto do país, por exemplo no Norte? A resposta é não, esta é definitivamente a maior feira de agro-pecuária do País. De facto o que este programa faz e a “RTP” em geral não é a descentralização mas sim uma bicefalia de duas zonas Norte e Sul e duas cidades Porto e Lisboa. Um outro programa da RTP é o “ Portugal no Coração”, programa esse que curiosamente também é filmado no Porto.
Outro programa da RTP que tem emissão semanal segundo me foi dado a perceber, é o “Portugal Azul”. Este programa destina-se a promover as cidades de Portugal visto que vai sendo filmado em todas as capitais de distrito sendo que questiono a capacidade de apresentação mas não é a isso que este texto se refere. Aplaudo esta iniciativa do canal público português, porém há que reparar no nome do programa. Curiosamente o nome escolhido diz respeito ao azul, cor que traja o FCP. Contudo neste caso dou o benefício da dúvida e não vou entrar em longas dissertações acerca deste programa.
Mudando de órgão de comunicação social, passo a referir-me ao “Jornal de Notícias” que é como a generalidade das pessoas sabem, um jornal do Porto e que foca essencialmente essa cidade. Se duvidam do que refiro, sugiro que observem com alguma atenção o site do “JN” e é possível verificar que um dos seus artigos se refere ao Norte que segundo o seu autor (do artigo) refere, é uma região deprimida. Parece que segundo alguns o Norte se encontra deprimido, mas o que dizer acerca do Alentejo? Poder-se-á dizer que o Alentejo é uma zona feliz e animada? Parece-me que não, e também me parece que o “JN” terá esquecido ou pelo menos ocultado a existência desta região do país. Poderão alguns dos que lêem pensar que me estou a contradizer por dizer que o Norte não é a única cidade que esta deprimida, mas não. A realidade é que o jornal ao referir esta região como deprimida refere ainda que o Norte está a beira da última oportunidade e que a Galiza deixa o Norte para trás. Porém, esta situação é semelhante ao do buraco nas ruas do Porto que há bocado referi. Apesar de ser uma má notícia, o foco vai na sua totalidade para o Norte. A questão que fica é: e o Sul, existirá semelhante coisa neste país? A resposta é sim mas sem grande eco nos meios de comunicação social. Ainda no site do “JN”, existe uma página que tem como título “País”, por baixo desse título tem subtítulos que estão por esta ordem “Porto”, “Norte”, “País”. É possível verificar que o Sul e Lisboa que só é a Capital deste país não são tomados em conta.
Deixando este meio de comunicação, volto a referir a televisão. Julgo que a maior parte tem conhecimento de que há volta de 3 anos existiu um canal chamado “NTV”, isto é era a “Norte TV”. Este canal tinha um conteúdo maioritariamente referente ao Norte e mais especificamente ao Porto.
Mais tarde este canal de televisão foi comprado pela “RTP” e formou um novo canal chamado “RTP N”, isto é adoptou o “N” da “NTV” e por isso é a “RTP” do Norte embora agora se ponha a dúvida se o “N” será de notícias pois neste momento o seu conteúdo é principalmente noticioso ou informativo. Este canal é quase ou totalmente filmado no Porto e é relativamente fácil perceber que os seus profissionais mas principalmente os apresentadores são do Norte até pela sua pronúncia.
Outro canal televisivo é o “Porto Canal”. Relativamente recente este canal como o próprio nome indica é acima de tudo referente ao Porto sendo que existem mais cidades neste país. No total são 141. Onde está um canal de qualquer uma das outras 140? Se existir espero que me informem desse facto mas duvido que assim seja.
Referindo-me agora mais em detalhe ao FCP devo afirmar que também este é propagandeado pela comunicação social.
Na “RTP” é sempre mais falado nos noticiários e quando este canal emite jogos deste clube os comentadores parecem seus adeptos. Na “TVI” passa-se exactamente o mesmo no que diz respeito aos jogos emitidos. Na “SIC Notícias” os comentadores desportivos têm também algum pendor portista. Na “Sporttv” o mesmo se passa, não fosse este canal de pessoas do Norte. Já na Rádio existe também algum facciosismo. Já no que diz respeito aos jornais existe um jornal chamado “O Jogo” que está sedeado no Porto e tem por habitual uma capa portista pelo menos “on-line”. Fui informado que este jornal muda a capa consoante a cidade, Porto ou Lisboa. Lá está mais um divisionismo.
Podia estar aqui a referir-me exaustivamente a exemplos concretos destas afirmações, contudo ficar-me-ei por apenas alguns. Por exemplo o guarda-redes do FCP abandonou o futebol, pois os meios de comunicação social principalmente a “RTP” passaram por diversas vezes a reportagem referente a esta notícia chegando a ser exaustivo. Quando o clube joga os comentadores desse jogo parece que se referem à selecção nacional quando este ataca. O presidente do clube parece ser um “grande contador de anedotas” pela forma como os jornalistas se riem das suas piadas que normalmente atingem os clubes de Lisboa, porém é mais ofensivo para com o SLB. Muitas contratações que o FCP faz vão no sentido de “roubar” um jogador ao Benfica. Estas palavras surgem num título do jornal “Record” que refere “FCP rouba… ao Benfica” sendo que as reticências se referem a um jogador em concreto. Contudo prefiro não referir nomes.
Em suma, este país tem que mudar e para melhor e espero que o faça para bem de quem cá mora e pretende um país mais desenvolvido na sua totalidade e não em uma ou duas cidades. Já no que diz respeito ao desporto muito tem que mudar, referi-me ao futebol mas noutras modalidades o mesmo se passa. Exemplos do basquetebol e hóquei. Acredito que num futuro próximo este país esteja melhor.

11 comentários:

Anónimo disse...

brunicclio, e desistir da questao?

Mouro disse...

Bom, eu tinha escrito um comentário grande como o caraças, em honra do blogue, mas a minha ligação foi-se abaixo. Curiosamente, é da Optimus, empresa pertencente ao grupo Sonae, fundado por Belmiro de Azevedo. Lá está, o norte a interferir cá em baixo, outra vez.

Agora a sério, sou'tor. Relaxe, deixe o norte pra lá. Nós, sulistas, não precisamos que a comunicação social nos apaparique para nos sentirmos bem. Agora lá cima, com o frio e tal...epá, compreende-se que precisem de uns miminhos ocasionais...

Dê-lhes um desconto.

Ribatejano disse...

Face a este longo artigo de opinioão do meu carrisimo doutor,devo dizer que reflecti imenso sobre este assunto. Bom, a conclusão a que cheguei é de que...a ser esra a verdade toda ela tem o seu genese num passado cuja realidade reflecte bem a forca do norte.
Senao, vejamos:
O inicio da reconquista crista deu-se no norte do pais, sendo la a primeira capital e sendo la que mais rapidamente toda a administracao foi montado. depois, durante seculos foi na zona norte que toda a industria importante se situou.Porque? pois enquanto sulistas brincavam nas hortas e na boa vida, os do norte trabalhavam para este pais. e essa e a verdade. se ha capital, se ha forca, se ha, porventura, um cheirinho a independencia deles face a nos, deve-se a sua uniao e trabalho comuns, mesmo a roubar...
Mas isto sou eu, pobre ribatejano, que o digo.

Katinha disse...

senhor doutor...face a este seu extenso artigo não consegui resistir e tive mesmo que deixar um comentário. Contudo, vou-me abster de comentar a parte relativa ao futebol e vou apenas dirigir-me ao divisionismo geografico. Desta forma tenho, entes de mais, de afirmar que estou plenamente de acordo com o senhor doutor e não concordo com o comentario deixado pelo senhor "mouro" (até porque apesar da notória diferença entre Norte e Sul, os algarvios não têm razão de queixa)...não se pede que a comunicação social acaricie o Sul e os sulistas, pede-se sim algum reconhecimento...afinal o Alentejo existe e é para lá que hoje em dia se dirigem a maior parte dos cidadãos portugueses quando as suas ilustres,nobres, e caras casas instaladas no meio de uma confusão citadina, não lhes ofereçem o conforto e o descanso necessário...aki no meu amado Alentejo acorda-se com o chilrear dos pardais e não com as buzinadelas de pessoas sem tempo para nada!!!!Somos uma parte importante do país,também temos pessoas inteligentes (apesar do português nem sempre ser o mais correcto),pessoas perspicazes, não é a preguiça que impera no Alentejo, é a calma que nos descansa a alma, a mente e nos torna pessoas saudáveis,pacientes,trabalhadoras...a cidade transforma o espírito de uma pessoa, a sua forma de vida, mas nunca a sua personalidade, os seus valores sulistas e falo por experiência própria!!
Para terminar, porque já me alonguei demasiado,aquilo que pelo menos nós alentejanos desejamos é sermos reconhecidos pelas nossas qualidades e não atacados pelos nossos defeitos...e talvez se esse reconhecimento acontecesse, todos vocês deixariam de perguntar "Alfundão?! o que é isso???", talvez até percorressem esta modesta aldeia de pouco mais de 900 habitantes, no Google Earth!!!! Tenho dito*

Anónimo disse...

ahahaha! ohhhh, este espaço dedicado aos comentarios foi preenchido por pessoas que conheço muito bem... também tenho do comentar: É O LOBBY DO NORTE!!!!

Anónimo disse...

AMO-TE SENHOR DOUTOR. ass: joana (o cmentario de cima tambem era meu)

o Senhor Doutor disse...

Resposta ao 1º anónimo:

Não vou desistir da questão.

o Senhor Doutor disse...

Resposta ao Mouro:

Não sei se lhes dou algum desconto, isto da preterição do Sul relativamente ao Norte passa os limites do razoável.

o Senhor Doutor disse...

Resposta ao Ribatejano:

Apesar de tudo o que referiu relativamente às razões que levam a esta situação escreveu também "mesmo a roubar...". Tudo o que disse anteriormente torna-se injusto.

o Senhor Doutor disse...

Resposta à Katinha:

Compreendo o que escreve. Espero que a situação se altere.

o Senhor Doutor disse...

Resposta ao 2º anónimo:

Poder-se-á falar em lobby do Norte, é uma realidade.