domingo, 5 de outubro de 2008

Tanto para discorrerr... Uma crise financeira, umas confusões no Cáucaso, uma China complicada, um continente Africano todo ele cheio de novidades diárias, toda uma panóplia de coisas a acontecer. Outras que aconteceram como o 5 de Outubro, o Estado novo, a guerra fria. E ainda as questões metafisicas, teórico-académicas, como o melhor sistema de governo, o melhor regime político, o melhor modelo económico. Tudo ao que parece em voga e tudo interessante.
Pois é, caro leitor. A estes suscitadores de indecisão juntamos a falta de tempo e passamos muito tempo sem deixar aqui uma notinha do nosso pensamento, das nossas ideias do caraças!
Cheguei à brilhante conclusão, caro leitor, e já não era sem tempo, que para além de ser jovem, sou também idiota, parvo, ignorante e desinteressante. Nessa mesma sequência, conclui que cheguei àquela fase da minha juventude naqual começo a assumir posições e realidades nas quais acredito ou não. Começo aqui a assumir-me enquanto jovem cidadão!*
Pois então, desta feita, assumo-me como ateu, anti-clerical, e porque sou situacionista, laicista radical, já que sei que a religião não há de desaparecer nos próximos séculos, se é que alguma vez.
Perdoem-me os noventa e tal por cento da população que se diz serem crentes/religiosos. A maiorioa dos quais, não condeno, nem guardo rancor, muito menos sinto pena ou me julgo mais clarividente que os mesmos.
Embora não acredite, e não sinta qualquer necessidade de acreditar. Embora não dúvide que não existe deus ou um ser super poderoso. In extremis, o argumento de eu não saber se realmente existe ou não, é válido. Tal como aquele do: é uma questão de fé!
Agora, repudio as religiões. Repudio por completo as organizações religiosas.
Repudio a exploração fácil do próximo, bem sem que não são só as religiões a fazê-lo. Mas repudio estas em especial. Repudiu o aproveitamento da vulnerabilidade do próximo para a assimilação de uma base de poder. Repudio o uso de uma suposta clarividência para se fazer de pastor guiar as pessoas so porque deus terá assim dito. Quando na verdade é para proveito de alguém, sim, não se enganem, tudo o que implica poder implica proveito de algum mortal. Mais que tudo irrita-me que as pessoas não se tenham apercebido que as religiões não passam de um projecto de governo, governabilidade, iminentemente político e, a meu ver ultrapassado! Sinto-me por isso atacado pelas intromissões religiosas na política. Faria a minha paz com a religião se esta se separasse inteiramente da vida pública.
Quanto às instituições sociais das religiões são muito boas sim senhor, criam um espirito de comunidade, dão esperança e incencentivam a caridade (pelos vistos até tornam a dor mais suportável). No fundo humanizam. Nem tudo na religião é mau. Mas existem outras formas de o fazer! Pelo que também as repudio porque no fim da linha vão servir o propósito das instituições religiosas em si. O poder. O monopólio das crenças, do certo e do errado, do modelo a seguir.
Escrevi tudo isto porque sim. Sem qualquer apoio bibliográfico ou factual. Sem qualquer referência académica e sem qualquer razão de ser para além da minha consciência recém fabricada e sem valores.
Aceito perfeitamente a inutilidade deste artigo, o seu desinteresse e a sua descartibilidade como mais uma opinião populucha, populista e parva.
Mas é assim mesmo que este mundo é levado não é verdade?

P.S.- Estou irritado com a vida hoje e sei disso.


*Não pense o senhor leitor que tive uma epifania e que acho que é isto que me vai tornar mais lúcido, interessante, menos parvo ou menos ignorante. Todos sabemos que assim não o é, não é verdade?

1 comentário:

Apu disse...

Passou-se de vez!
Cheira-me a problemas no paraiso...